Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Heartland

Creating a Life we'll Love

Heartland

Creating a Life we'll Love

A casa vivida VS A casa arrumada

Estou em plena fase de arrumações para mudança, o que é muito empolgante e muito cansativo. A juntar ao cansaço físico e a uma dor quase-permanente no ombro direito, tenho uma incerteza. 

Gostava que, à entrada da casa, houvesse a possibilidade de deixar os sapatos trazidos da rua e mudar para algo mais confortável. Acontece que esta nova casa não tem hall de entrada, a porta abre directamente para uma divisão ampla com lareira no centro, mesmo em frente à porta e, à direita, uma larga escadaria de pinho que leva aos quartos. A passagem para a cozinha e wc social fica à esquerda. 

 

Um hall de entrada dá muito jeito, protege, recebe e separa. Mas não vou ter nenhum. O que até me parece ser regra por aqui. Nenhuma das casas que arrendei tinha hall. Ora bem, eu preciso/quero/gosto de deixar casacos, malas e sapatos à entrada. Ajuda a manter o chão mais limpo no dia-a-dia, os convidados/visitas não precisam de atravessar a casa toda para deixarem casacos, etc. Neste caso, debato-me com a seguite questão: faço da minha sala um lugar para viver ou um lugar para ver? Sei muito bem que a casa é minha e devo fazer como achar melhor mas também sei que vivo numa zona do país em que as pessoas constroem uma segunda cozinha/sala fora da casa principal para aí viverem o dia-a-dia e manter a casa imaculada. A dificuldade está em encontrar um meio-termo que me sirva...

 

 

À procura de ideias para resolver esta questão, apareceu-me numa revista um banco corrido cuja parte de baixo tinha um estrado de ripas onde se colocavam os sapatos. Claro que por cima tinha alguns cabides colorido tipo estes e que algumas prateleiras com caixas de arrumação para lenços, caxecois e afins compunham a decoração e faziam um hall relativamente pequeno parecer prático e ao mesmo temop acolhedor. 

 

Entretanto decidi deixar o sofá que a casa já tinha (muito vintage e muito giro) em frente à lareira, de costas para a porta de entrada e tinha pensado colocar uma mesa baixa, comprida e estreita que na verdade mais parece um banco largo, nas costas do sofá, forrar o tampo e colocar algumas almofadas e colocar uma tábua por baixo, apoiada nos pés da mesa, para colocar os sapatos. Restava-me, claro, a dificuldade de onde arrumar casacos, malas, luvas... foi então que encontrei esta idea, do Liz Marie Blog , através do Casa de Fifia

 

DSC_0661.jpg

 

 

 

Também gosto muito desta ideia! Com algumas pequenas alterações será perfeita. Gosto das cores, gosto da mistura de texturas que, claro, não poderei reproduzir, mas posso perfeitamente adaptar esta ideia à minha. Na segunda-feira vou tirar fotografias e medidas à casa nova, para decidir que peças de mobília preciso de trazer para cá, e virei partilhar algumas convosco na terça-feira. Como já disse antes, vou começar apenas pelo essencial, quero que a casa cresça connosco, ou, como diz uma marca muito conhecida, viver mais a minha casa e isso faz-se crescendo em conjunto.

 

Na minha primeira casa comprámos tudo: mobílias completas, sofás, mesas, cadeiras, eu sei lá! resultado: não gosto de algumas peças que adquiri, nunca gostei e apesar de gostar da maioria, não ficaram na casa como pensei que iam ficar, tornaram a casa pesada, constrangida dentro da própria mobília e fui obrigada a conviver com uma casa mal vestida durante cinco longos anos. Não quero voltar a passar por isto. 

 

E tu, se tudo fosse possível, o que mudarias na tua casa???